Disciplinas

A Pós-Graduação em Ciência Florestal, em níveis de Mestrado e de Doutorado, conta com a participação dos Departamentos de Biologia Geral, Biologia Vegetal, Economia Rural, Engenharia Florestal, Fitotecnia, Informática, Química e Solos. O estudante filiar-se-á ao Departamento de Engenharia Florestal, sob a supervisão de uma Comissão Orientadora.

BIO 600 Métodos Analíticos em Biologia 6(2-4) I.

Espectrofotometria do visível e do ultravioleta. Espectrofotometria de absorção atômica. Espectrofotometria de emissão em chama e em plasma. Técnicas radioisotópicas. Solução-tampão e pH. Centrifugação. Eletroforese em gel de poliacrilamida. Cromatografia em coluna convencional. Cromatografia em coluna de alta eficiência.

BIO 610 Biologia Celular 4(4-0) I e II.

A célula como unidade de atividade biológica. Métodos de estudo das células. Biomacromoléculas. A superfície celular. Endocitose e a digestão intracelular. Papel dos peroxissomos na fisiologia celular. Organização funcional das mitocôndrias. Organização funcional dos cloroplastos. O núcleo celular. O ciclo celular. O retículo endoplasmático. O complexo de Golgi. Citoesqueleto. A célula vegetal. Diferenciação celular.

BIO 611 Laboratório de Biologia Celular 7(0-7) II.

Microscópio de luz – campo claro. Microscopia de fluorescência. Microscopia de polarização. Microscopia de contraste de fase. Noções básicas de microscopia confocal. Noções básicas de análise de imagem e fotomicroscopia. Preparo de soluções de uso freqüente no processamento de materiais biológicos para microscopia. Processamento de materiais biológicos para preparo de lâminas permanentes utilizando-se de resinas do tipo metaclilato. Citoquímica. Noções básicas de microscopia eletrônica de transmissão e varredura. Extração e dosagem de componentes químicos celulares. Visitas aos laboratórios envolvidos com o processamento e análise de materiais biológicos para microscopia de luz e eletrônica.

BIO 641 Genética de Populações 3(3-0) I.

Probabilidade na genética. Constituição genética de uma população. Mudanças nas frequências gênicas: processos sistemáticos e dispersivo. Endogamia.

BQI 600 Bioquímica Geral 4(4-0) I.

Probabilidade na genética. Constituição genética de uma população. Mudanças nas frequências gênicas: processos sistemáticos e dispersivo. Endogamia.

BQI 620 Enzimologia 4(4-0) II.

Estrutura de enzimas. Enzimas como catalisadores biológicos. Classificação de enzimas. Cinética enzimática. Métodos para construção de gráficos dos dados de cinética enzimática. Inibição enzimática. Enzimas alostéricas e de sítios múltiplos. Purificação de enzimas.

BVE 612 Anatomia Vegetal 3(2-3) I.

Origem e organização do corpo da planta. Meristemas primários. Tecidos simples. Meristemas secundários. Tecidos complexos. Órgãos vegetativos. Órgãos reprodutores.

BVE 619 Morfogênese em Plantas 3(3-0) II.

Aspectos gerais da organização do corpo das plantas. Expressão gênica e determinação celular. Coordenação e controle do desenvolvimento vegetativo e reprodutivo. Morfogênese in vitro.

BVE 671 Nutrição e Metabolismo das Plantas 3(3-0) II.

Utilização dos carboidratos, lipídeos e proteínas de reserva. Respiração. Biossíntese da parede celular. Enverdecimento. Economia do carbono. Aquisição e assimilação do nitrogênio.

BVE 672 Crescimento e Desenvolvimento das Plantas 3(3-0) II.

Aspectos morfológicos e estruturais do desenvolvimento. Substâncias de crescimento e seu metabolismo. Mecanismos de ação das substâncias de crescimento. Crescimento vegetativo e sua regulação. Dominância apical. Fitocromo e criptocromo. Rítmos circadianos. Movimentos. Fotomorfogênese. Floração. Desenvolvimento do fruto. Germinação e dormência. Senescência e abscisão.

BVE 674 Ecofisiologia Vegetal 3(3-0) II.

Planta no ecossistema. Radiação no ecossistema. Utilização e ciclagem dos elementos minerais. Água na planta e no ecossistema. Interação entre plantas: competição.

BVE 678 Fisiologia das Plantas Lenhosas 3(3-0) I.

Planta no ecossistema. Radiação no ecossistema. Utilização e ciclagem dos elementos minerais. Água na planta e no ecossistema. Interação entre plantas: competição.

BVE 770 Fisiologia do Estresse Abiótico em Plantas 3(3-0) I.

Estresses abióticos. Bases moleculares da resistência aos estresses. Estresse luminoso. Temperaturas supra-ótimas e choque térmico. Estresse por resfriamento e congelamento. Estresse hídrico e resistência à seca. Deficiência de oxigênio. Salinidade. Poluição ambiental.

CIV 637 Sistemas de Informações Geográficas 4(4-0) I.

Sistemas de informações geográficas. Conceitos sobre informações espaciais. Representação de dados de mapas. Conceito de banco de dados geográficos. Modelos Digitais de Elevação. Análises Espaciais. Análise estratégica de decisão. Estudos de Caso.

CIV 646 Bacias Hidrográficas Urbanas 4(4-0) II.

Bacias hidrográficas urbanas. Impactos da urbanização. Hidrologia urbana. Inundações urbanas. Micro e macrodrenagem. Escoamento superficial direto. Infiltração e armazenamento no solo. Erosão urbana e produção de sedimentos. Aspectos qualitativos do escoamento superficial em áreas urbanas. Restauração de bacias hidrográficas urbanas. Aplicação da análise estratégica de decisão em bacias hidrográficas urbanas.

ENF 600 Dendrologia 3(1-4) II.

Levantamento e identificação das espécies florestais de valor econômico prometedor ou de utilização reconhecida, existentes no País.

ENF 606 Tipologia Florestal 3(2-2) II.

Auto-ecologia. Fatores ecológicos específicos. Métodos climáticos de avaliação da produtividade. Uso da altura, diâmetro e outros parâmetros. A vegetação como elemento avaliador. Solo e topografia e métodos especiais, servindo como bases técnicas para determinação da qualidade do local.

ENF 608 Ecologia e Restauração Florestal 4(2-4) I e II.

Terminologia e conceitos em ecologia da restauração. Gradientes ambientais e a distribuição das espécies arbóreas. Ciclagem de nutrientes em ecossistemas florestais. Sucessão ecológica e regeneração natural. Fitogeografia e fitossociologia aplicadas à restauração florestal. Restauração através de técnicas de nucleação. Restauração através de plantio em área total. Indicadores de avaliação e monitoramento de áreas restauradas.

ENF 610 Sensoriamento Remoto 3(2-2) II.

Conceito e histórico do sensoriamento remoto. Natureza e fontes de energia eletromagnética medida por sistemas de sensoriamento remoto. Interação entre energia e matéria. Aquisição remota de dados. Pré-processamento digital dos dados. Classificação automática de imagens orbitais. Interpretação de imagens temáticas. Utilização dos dados em estudos da cobertura e uso da terra.

ENF 612 Introdução aos Sistemas de Informações Geográficas 4(2-2) I.

Conceituação e importância. Modelos de dados. Criação de uma base de dados georreferenciada. Operações algébricas. Modelagem espacial. Estudos de caso.

ENF 613 Tópicos Avançados em Sistemas de Informações Geográficas 3(2-2) II.

Conceituação e importância. Aquisição de dados espaciais. Elaboração de mapas. Modelos em rede. Modelagem espacial.

ENF 627 Mensuração Florestal 4(2-2) I.

Método científico em mensuração florestal. Estudos de casos especiais em dendrometria e inventário florestal. Determinação da capacidade produtiva. Amostragem para estudos de crescimento e produção. Modelagem do crescimento e da produção florestal de povoamentos não desbastados. Modelagem do crescimento e da produção de povoamentos desbastados.

ENF 630 Formação e Dormência de Sementes Florestais 4(2-2) I.

Formação da semente. Síntese de reservas. Desenvolvimento e regulação. Hormônios e desenvolvimento. Conceitos básicos da dormência e quiescência. Tipos de dormência. Controle da dormência. Métodos de superação da dormência.

ENF 631 Germinação de Sementes Florestais 2(2-0) II.

Controle ambiental da germinação. Aspectos fisiológicos e metabólicos da germinação. Ação de hormônios na germinação.

ENF 632 Propagação Vegetativa de Plantas Arbóreas 4(2-2) II.

Princípios da propagação de plantas arbóreas. Biologia da propagação vegetativa de plantas arbóreas. Propagação vegetativa por enxertia. Propagação vegetativa por enraizamento das estacas: mergulhia e estaquia. Propagação vegetativa por miniestaquia e microestaquia. Propagação vegetativa in vitro: microenxertia e micropopagação.

ENF 633 Crescimento e Produção Florestal 3(3-0) II.

Introdução. Processos de propagação. Ciclo de vida das árvores. Crescimento vegetativo das plantas florestais. Crescimento reprodutivo das árvores. Processos fisiológicos em árvores.

ENF 634 Silvicultura Clonal 3(3-0) I.

A silvicultura clonal. Biologia da propagação clonal. Estratégias de melhoramento florestal e métodos de seleção de clones. Testes clonais: metas e procedimentos básicos. Estratégias e condução de florestas clonais: tipos de plantios e números de clones.

ENF 635 Melhoramento Florestal 5(3-2) II.

Melhoramento genético-florestal; variação genética; técnicas experimentais em melhoramento florestal; introdução à genética quantitativa; critérios de seleção; métodos de melhoramento aplicados a florestas; Estratégias de melhoramento florestal.

ENF 636 Técnicas Silviculturais 4(2-2) I.

Escolha de espécies. Escolha de local. Sistematização e preparo do solo. Adubação e nutrição florestal. Espaçamento. Plantio. Manutenção florestal. Desbastes. Desramas. Regeneração de povoamentos florestais.

ENF 637 Inovação, Transferência De Tecnologia E Propriedade Intelectual Na Área Florestal.

Inovação, Transferência De Tecnologia E Propriedade Intelectual Na Área Florestal.

ENF 640 Economia Florestal I 4(4-0) I.

Introdução à economia florestal. Importância do setor florestal para o País. Conceitos básicos de economia aplicados ao setor florestal. Matemática financeira aplicada ao setor florestal. Custos na empresa florestal. Avaliação de projetos florestais. Aplicações práticas.

ENF 642 Estrutura, Dinâmica e Manejo de Florestas Nativas 4(3-2) I e II.

Mapeamento e classificação de vegetação. Análise das estruturas de florestas nativas. Censo ou inventário de prospecção ou inventário 100% com mapeamento de árvores. Planos de manejo de florestas nativas: diretrizes técnicas e legais. Métodos de determinação do corte ou colheita em florestas nativas. Regulação da produção e sustentabilidade do manejo de florestas nativas. Sistemas de colheitas e sistemas silviculturais aplicados às florestas nativas. Monitoramento de planos de manejo e inventário florestal contínuo de florestas nativas. Crescimento florestal e prognose da produção de florestas nativas. Avaliação de impactos ambientais e sociais do manejo de florestas nativas. Avaliação econômica de manejo de florestas nativas. Uso múltiplo de florestas nativas. Certificação de manejo de florestas nativas. Restrições ao manejo de manejo de florestas nativas.

ENF 643 Manejo Florestal 5(3-2) I.

Elementos de manejo florestal. Crescimento, produção e estrutura de povoamentos florestais. Uso de modelos de crescimento e produção em manejo florestal. Rotação florestal. Regulação da produção. Modelos de suporte a decisão em manejo florestal. Avaliação florestal. Manejo de plantações desbastadas. Riscos e incertezas em manejo florestal.

ENF 644 Otimização Florestal 4(4-0) I.

Conceituação e importância. Programação linear. Programação por metas. Modelos em rede. Programação dinâmica.


ENF 645 Agrossilvicultura 4(2-2) I e II.

A ciência agrossilvicultura e os sistemas agroflorestais. Conceitos e classificação de sistemas agroflorestais. Diagnóstico e planejamento de sistemas agroflorestais. A Agrossilvicultura no mundo. Princípios de seleção de espécies para sistemas agroflorestais. Experimentação em sistemas agroflorestais. Extensão agroflorestal. Produtividade e conservação de solos em sistemas agroflorestais. Análise econômica dos sistemas agroflorestais.

ENF 646 Planejamento Florestal I 4(4-0) I.

Conceitos básicos. Funções da administração. Processo de administração. Planejamento florestal. Revisão sobre avaliação de projetos florestais. Formulação de projetos florestais.

ENF 647 Colheita Florestal 4(4-0) I.

A colheita florestal no Brasil. Mecanização. Corte. Extração. Carregamento e descarregamento. Sistemas. Planejamento. Custos. Manutenção mecânica. Ergonomia aplicada ao trabalho. Floresta de precisão. Qualidade total. Compactação do solo. Impactos ambientais. Terceirização. Qualidade de vida no trabalho. Gestão integrada de máquinas florestais.

ENF 649 Ergonomia Florestal 3(3-0) II.

Introdução à ergonomia. Abordagem ergonômica de sistemas. Biomecânica ocupacional. Antropometria aplicada. Fisiologia do trabalho. Posto de trabalho. Controles e dispositivos de informação. Fatores ambientais. Fatores humanos no trabalho. Segurança do trabalho. Organização do trabalho. Avaliação ergonômica de operações, máquinas e quipamentos florestais.

ENF 650 Física da Madeira e Derivados 3(3-0) II.

Transferência de calor na madeira e derivados. Relação água-madeira. Permeabilidade. Capilaridade. Propriedades elétricas da madeira e derivados. Fluxo e fluidos supercríticos na madeira.

ENF 651 Mecânica da Madeira 4(2-2) II.

A madeira como matéria-prima na engenharia. Tecnologia da madeira, propriedades físicas e mecânicas. Classificação estrutural. Propriedades Mecânicas – Base de álculo segundo NBR7190 e noções sobre dimensionamento dos elementos estruturais: vigas, pilares e treliças plana e estruturas de cobertura. Ensaios Mecânicos e os respectivos comportamentos. Determinação do Módulo de Elasticidade e Ruptura. Disposições construtivas e normas de projeto e de execução.

ENF 652 Indústria Moveleira 3(2-2) I.

Características da atividade moveleira no Brasil. Principais pólos moveleiros. Indicadores econômicos. Matérias-primas principais. Processos de produção de móveis. Fatores inerentes aos processos de produção. Segurança no trabalho e prevenção de acidentes.

ENF 653 Qualidade da Madeira 4(4-0) II.

Formação da célula lenhosa. Estrutura da parede celular. Morfologia da célula lenhosa. Estrutura anatômica da madeira e propriedades da madeira. Caracterização qualitativa da madeira. Variabilidade nas propriedades da madeira. Defeitos da madeira. Fatores que afetam a qualidade da madeira. Qualidade e uso da madeira.


ENF 654 Matérias-Primas Fibrosas Nacionais 2(2-0) I.

Matérias-primas fibrosas utilizadas no Brasil. Relações entre qualidade da madeira e propriedades da celulose. Produção de madeira com qualidades desejáveis para celulose. Coníferas e folhosas na fabricação de celulose e papel. Uso de resíduos na produção de celulose. Mistura de celulose. Relações entre propriedades da celulose e do papel. Avaliação da matériaprima fibrosa para produção de celulose. Celulose de madeiras anormais.


ENF 660 Química da Madeira 4(2-2) I.

Constituição química da madeira. Química da carboidratos. Biossíntese dos polissacarídeos da madeira. Celulose. Hemiceluloses. Lignina. Extrativos.

Estrutura anatômica e constituição química da casca. Utilização dos constituintes químicos da madeira.


ENF 661 Tecnologia e Química de Polpação 6(2-4) II

Conceitos básicos. Pátio de madeira. Métodos de polpação de madeira.

Processos alcalinos de polpação. Química dos processos alcalinos. Processo Kraft. Recuperação do licor residual kraft. Processos ácidos. Processos de alto rendimento.


ENF 662 Branqueamento de Celulose 3(2-3) II

Histórico e introdução. Branqueamento de polpas mecânicas e químico-mecânicas.

Branqueamento de polpas semi-químicas. Branqueamento de polpas químicas.

Reversão da alvura de polpas branqueadas. Preparo dos químicos de

branqueamento. Branqueamento por deslocamento. Aspectos ambientais do

branqueamento.


ENF 663 Tecnologia do Papel 5(2-3) I.

Fundamentos tecnológicos de sistemas de preparo de massa para produção de papéis. Princípios científicos da refinação e/ou moagem. Teoria da formação de papéis. Princípios tecnológicos de máquinas formadoras de papéis. Prensagem. Secagem do papel e da polpa. Calandragem. Tratamentos superficiais do papel. Aspectos tecnológicos das formadoras cilíndricas.

Considerações técnico-administrativas sobre economia (eficiência e produtividade) da operação de máquinas de papel.


ENF 664 Propriedades do Papel 5(2-3) II.

A indústria de papel. Recursos fibrosos para produção de papéis. Aspectos físico-químicos de ligações inter-fibras na formação de papéis. Estrutura do papel. Propriedades físico-mecânicas de papéis. Aditivos do papel.

Propriedades ópticas do papel. Coloração do papel.


ENF 665 Balanço de Energia e de Materiais na Indústria de Celulose 2(1-2) II.

Introdução aos cálculos em engenharia da celulose e papel. Transferência de massa e de calor. Discussão dos equipamentos envolvidos na transferência de massa e de calor. Balanços de materiais aplicados à indústria de celulose de papel. Balanços de energia aplicados à indústria de celulose e papel.


ENF 666 Controle Ambiental na Indústria de Celulose e Papel 5(3-2) I e II.

Aspectos básicos em proteção ambiental. Processos de produção de celulose e papel. Qualidade e tratamento de água. Qualidade e tratamento de efluentes líquidos. Manejo dos resíduos sólidos. Emissões atmosféricas.

Fechamento de circuitos de água. Programa de controle e amostragem ambiental.


ENF 667 Adesivos para Madeira 4(3-2) II.

Conceituação básica em adesão e adesivos. Adesivos de ureia-formaldeído. Adesivos de fenol-formaldeído. Adesivos à base de resorcinol. Adesivos de melanina-formaldeído. Adesivos de diisocianatos. Adesivos à base de taninos. Adesivos à base de lignina. Adesivos à base de carboidratos.


ENF 668 Energia da Madeira 5(2-3) I.

A energia da madeira no contexto energético brasileiro e mundial e biorefinaria. Propriedades da madeira para energia e torrefação. Combustão da madeira e bioeletricidade. Prólise lenta e rápida. Gaseificação da madeira. Liquefação da madeira. Compactação da biomassa agroflorestal para produção de briquetes e pellets. Impactos ambientais do uso da biomassa florestal para energia.


ENF 669 Chapas e Painéis de Madeira 4(3-2) I.

Conceitos básicos na produção de chapas de composição. O fenômeno da adesão. Fabricação de compensados. Fabricação de chapas de madeira particulada. Fabricação de painéis de madeira.


ENF 670 Ciclo de Recuperação Química do Processo Kraft 3(3-0) I e II.

Princípios da recuperação química. Evaporação e concentração do licor negro. Gases não condensáveis (NCG´s). Química do processo de recuperação. Preparação do licor branco. O forno de cal.


ENF 671 Preservação da Madeira 4(2-2) II.

Influência das características anatômicas e físicas na preservação de madeiras. Durabilidade natural da madeira. Agentes responsáveis pela deterioração da madeira (bactérias, fungos, insetos, brocas marinhas, agentes físicos, mecânicos, químicos e ‘Weathering’). Produtos preservantes e propriedades dos preservantes. Métodos de tratamento sem pressão (método caseiro). Método de tratamento com pressão (método industrial – autoclave). Considerações ambientais, econômicas e legais sobre preservação da madeira. Teste de eficiência de preservativos e avaliação da durabilidade natural da madeira. Considerações econômicas e legais sobre preservação da madeira. Produtos ignífugos. Processos térmicos para preservação da madeira. Métodos não destrutivos de análise de sanidade da madeira (desintometria de raios X e vibração transversal).

ENF 672 Estrutura Anatômica da Madeira 4(2-2) II.

Plantas Produtoras de Madeiras. Planos anatômicos da madeira e elementos de microtécnica. O crescimento das árvores e formação de madeira (Anéis de crescimento). Macro e micro estrutura de gimnospermas. Macro e micro estrutura de folhosas. Tiloses e Inclusões minerais: Definição, formação e implicações (cristais prismáticos, drusas e outros tipos de cristais). Elementos de composição química e ultraestrutura da parede celular lenhosa. Defeitos na estrutura anatômica da madeira.

ENF 680 Ecologia do Fogo 3(3-0) I e II.

Aspectos históricos relacionados com o fogo. Conceito de incêndio florestal; queimada; queimada controlada e queima natural controlada. Fogo-um fenômeno natural. Fatores que afetam o regime do fogo. Adaptação das plantas e animais ao fogo: características físicas e processos de reprodução. Papel ecológico do fogo. Efeitos do fogo. O fogo e a sucessão vegetal.

ENF 683 Análise de Paisagem e Ecossistema Urbano 4(2-2) I.

Introdução sobre a importância do estudo da paisagem. Estrutura e composição de paisagens. Escalas de análise e interpretação. Ecologia da paisagem. Percepção da paisagem e percepção ambiental. Métricas e análise da paisagem. Análise da paisagem em ecossistemas urbanos. Caracterização do ecossistema urbano. Floresta Urbana: componente essencial da paisagem.

ENF 684 Planejamento e Manejo de Áreas Protegidas 4(4-0) II.

Conceitos em conservação da natureza e unidades de conservação. Estratégias de conservação através de proteção de áreas. Manejo e gestão de unidades de conservação. Ferramentas de manejo de áreas protegidas. Estudos de casos. Produção de artigos e desenvolvimento de pesquisas em áreas protegidas.

ENF 685 Avaliação de Impactos Ambientais 3(2-2) II.

Introdução. Legislação nacional pertinente à avaliação de impactos ambientais. O estudo de impacto ambiental (EIA) e respectivo relatório de impacto ambiental (RIMA). Conceitos básicos em avaliação de impactos ambientais. Métodos de avaliação de impactos ambientais. Classificação qualitativa e quantitativa de impactos ambientais. Perfil da equipe elaboradora de um estudo de impacto ambiental. Etapas da elaboração e aprovação de um estudo de impacto ambiental. Responsabilidade de atores sociais chaves.

ENF 686 Sistemas de Gestão Ambiental 4(2-2) II.

O Contexto da questão ambiental. A ferramenta do pensamento sistêmico. Ambientalismo empresarial. O sistema de gestão ambiental. A visão institucional de programas ambientais. A cultura organizacional. Planejamento e execução de programas e projetos ambientais.

ENF 687 Hidrologia Florestal e Manejo de Bacias Hidrográficas 3(3-0) I.

Histórico e conceitos sobre manejo integrado de bacias hidrográficas no setor florestal. As florestas e o ciclo da água. Hidrologia florestal. Bases legais do manejo integrado de bacias hidrográficas. Morfometria de microbacias hidrográficas. Uso e Conservação de solos florestais. Conservação de nascentes. Resultados esperados do manejo de microbacias hidrográficas. Estudo de caso.

ENF 688 Avaliação de Impactos Ambientais do Florestamento e Reflorestamento 3(3-0) I.

Introdução. Avaliação de impactos ambientais da etapa de implantação florestal. Avaliação de impactos ambientais da etapa de manutenção florestal. Avaliação de impactos ambientais da etapa de colheita florestal. Principais funções ambientais das florestas plantadas.

ENF 689 Tópicos de Manejo de Fauna Silvestre 3(3-0) I.

Introdução. O habitat e a Fauna Silvestre. Modelos de Avaliação de Hábitats. Levantamento de Fauna Silvestre. Técnicas de Manejo de Fauna Silvestre.

ENF 690 Metodologia de Pesquisas Florestais 3(3-0) I.

Princípios básicos da pesquisa aplicada no setor florestal; bases filosóficas e científicas da pesquisa; técnicas para o estabelecimento de problemas. Planejamento e execução de pesquisas florestais. Procura e citação de

literaturas; medição, quantificação, sumarização e interpretação de dados. Redação científica.

ENF 740 Economia Florestal II 4(4-0) II.

Estrutura financeira dos projetos florestais. Rotação e regulação florestal. Reforma e substituição de povoamentos florestais. Evolução do mercado de produtos florestais. Custos na empresa florestal. Avaliação econômica de danos. Terceirização na área florestal (enfoque econômico). Riscos e incertezas no setor florestal (enfoque econômico). Estudo das cadeias produtivas dos produtos florestais. Inovação tecnológica no setor florestal. Alternativas para comercialização de produtos florestais.

ENF 746 Planejamento Florestal II 3(3-0) II.

Planejamento do setor florestal brasileiro. Tamanho e localização de projetos florestais. Técnicas e/ou ferramentas aplicadas no planejamento florestal. Tópicos teóricos importantes no planejamento da empresa florestal.

ENF 750 Economia de Recursos Naturais Renováveis 4(4-0) I e II.

Conceitos básicos. Economia circular. Economia sustentável. Economia de poluição. Mercado de poluição. Taxação e poluição ótima. Padrões ambientais. Limites permitidos de poluição. Medição de danos ambientais.

Métodos de valoração ambiental. Certificação florestal e ambiental. Mudanças climáticas. Prestação de serviços ambientais. Estudos de caso.

ENF 776 Estágio em Ensino I 1(0-1) I e II.

Disciplina de treinamento de estudantes de pós-graduação, que permite ao estudante adquirir experiência no ensino, preparando, planejando e lecionando aulas teóricas e práticas em disciplinas de graduação do Departamento de Engenharia Florestal, sob a supervisão e acompanhamento do professor responsável pela disciplina.

ENF 777 Estágio em Ensino II 2(0-2) I e II.

Disciplina de treinamento de estudantes de pós-graduação, que permite ao estudante adquirir experiência no ensino, preparando, planejando e lecionando aulas teóricas e práticas em disciplinas de graduação do Departamento de Engenharia Florestal, sob a supervisão e acompanhamento do professor responsável pela disciplina.

ENF 778 Estágio em Ensino III 3(0-3) I e II.

Disciplina de treinamento de estudantes de pós-graduação, que permite ao estudante adquirir experiência no ensino, preparando, planejando e lecionando aulas teóricas e práticas em disciplinas de graduação do Departamento de Engenharia Florestal, sob a supervisão e acompanhamento do professor responsável pela disciplina.

ENF 790 Tópicos Especiais em Ciência Florestal I 1( - ) I, II e III.

Disciplina de oferecimento não regular, ministrada por professores visitantes ou da própria Instituição, concentrada ou não. Conteúdo variável, abrangendo temas importantes para a formação global do estudante, não abordados nas disciplinas regulares da UFV.

ENF 791 Tópicos Especiais em Ciência Florestal II 2( - ) I, II e III.

Disciplina de oferecimento não regular, ministrada por professores visitantes ou da própria Instituição, concentrada ou não. Conteúdo variável, abrangendo temas importantes para a formação global do estudante, não abordados nas disciplinas regulares da UFV.

ENF 792 Tópicos Especiais em Ciência Florestal III 3( - ) I, II e III.

Disciplina de oferecimento não regular, ministrada por professores visitantes ou da própria Instituição, concentrada ou não. Conteúdo variável, abrangendo temas importantes para a formação global do estudante, não abordados nas disciplinas regulares da UFV.

ENF 796 Problemas Especiais 3( - ) I, II e III.

Visa oferecer ao aluno a oportunidade de estudar temas de seu interesse relacionadas com a área específica de pesquisa e julgado de importância para a sua formação.

ENF 797 Seminário 2(2-0) I e II.


ENF 799 Pesquisa.


ENG 641 Hidrologia 4(4-0) I

Noções básicas sobre gestão de recursos hídricos. Individualização e obtenção de características físicas de bacias hidrográficas. Precipitação. Evaporação de lagos e evapotranspiração. Infiltração da água no solo.

Escoamento da água sobre a superfície do solo. Estudo da vazão em cursos d’água. Sedimentologia

ENG 675 Energia da Biomassa 4(2-2) I

A biomassa como fonte de energia. Propriedades da biomassa para geração de energia. Formas de conversão de biomassa. Aspectos teóricos e práticos sobre a pirólise de biomassa. Aspectos teóricos e práticos da combustão de biomassa. Aspectos teóricos e práticos de gaseificação de biomassa. Outras formas de aproveitamento da biomassa.

ERU 600 Teoria Microeconômica I 4(4-0) I.

Teoria do comportamento do consumidor. Tópicos em equilíbrio geral. Teoria da firma. Escolha sob condições de incerteza. A teoria dos preços em mercado de competição perfeita imperfeita.

ERU 605 Teoria Macroeconômica I 4(4-0) I.

O estado da arte da microeconomia moderna. Métodos dinâmicos determinísticos em macroeconomia. Modelos de crescimento exógenos. Modelos de crescimento endógenos. Modelos de crescimento estocásticos.

ERU 626 Econometria 4(4-0) I.

O método econométrico. Modelo de regressão linear. Problemas econométricos no modelo linear. Uso de variáveis binárias no modelo de regressão. Modelos de defasagens distribuídas. Modelos multiequacionais.

Análise de séries temporais. Análise de dados em painel.

ERU 745 Economia Da Produção E Análise Da Produtividade.


EST 620 Estatística Experimental I 4(2-2) I e II.

Planejamento de experimentos. Testes de hipóteses. Contrastes. Análise de Variância. Delineamentos experimentais. Procedimentos para comparações múltiplas. Modelos de Regressão linear. Experimentos fatoriais. Experimentos em parcelas subdivididas. Superfície de resposta. Análise de grupos de experimentos.

EST 630 Métodos Estatísticos I 4(2-2) I e II.

Esperança matemática. Variância e Covariância. Testes de hipóteses. Estimação de parâmetros. Análise de regressão. Teste de identidade de modelos de regressão. Análise de correlação.

EST 631 Métodos Estatísticos II 4(2-2) I e II.

Delineamentos experimentais com ênfase em componentes de variância. Transformação de dados. Experimentos em parcelas subdivididas. Experimentos fatoriais. Superfície de resposta.

EST 635 Estatística Espacial Aplicada 4(2-2) I e II.

Conceitos em Probabilidade e Inferência. Descrição espacial. Autocorrelação espacial. Testes para autocorrelação espacial. Semivariogramas e Crossvariogramas. Predição linear e Kriging. Validação cruzada.

Anisotropia. Krigagem em bloco e cokrigagem. Regressão com erros autocorrelacionados espacialmente. Análises de delineamentos experimentais considerando correlação espacial. Amostragem espacial.

EST 640 Modelos Lineares I 4(2-2) I e II.

Inversas generalizadas de matrizes reais. Sistemas de equações lineares. Formas quadráticas e distribuições. Modelos de regressão ou modelos de posto completo. Correlação. Modelos de delineamentos experimentais.

FIT 600 Manejo e Conservação de Solos 3(2-2) I.

Natureza dos fenômenos que provocam a deterioração dos solos, visando conhecer os princípios em que se fundamentam seu manejo e sua conservação. Métodos utilizados para conservar os solos. Elementos para o planejamento agrícola, utilizando-se o critério da conservação do solo. A fotografia aérea no

manejo e conservação.

FIT 632 Cultura de Células e Tecidos Vegetais 3(2-2) I.

Retrospectiva da cultura de células e tecidos vegetais. Morfogênese in vitro e seu controle. Aplicações da cultura de células e tecidos vegetais. Preparação e composição dos meios nutritivos. Etapas da cultura In vitro. Fatores que afetam a cultura in vitro. manejo e conservação.

FIT 710 Relação Solo-Planta 3(3-0) II.

O solo como meio nutriente para as plantas. Desenvolvimento radicular afetado por fatores internos e externos. Interface raiz/solo na absorção de nutrientes. Microbiota da rizosfera. Adaptação de plantas a ambientes adversos de solo.

INF 682 Otimização I 4(4-0) I.

Otimização linear. Otimização inteira e mista. Otimização multicritério.

INF 683 Otimização II 4(4-0) I e II.

Otimização linear inteira e mista. Otimização em redes. Otimização não-linear.

LET 604 Português para Estrangeiros: Leitura e Produção de Textos 4(3-1) I e II

Leitura e produção de textos acadêmicos para estudantes estrangeiros. Produção de textos orais. Análise de

textos escritos acadêmicos. Produção de textos. Adequação lexical e gramatical.

LET 610 Inglês Instrumental I 4(4-0) I e II.

Análise de vocabulário. Estudo das estruturas lingüísticas. Características do discurso acadêmico. Aplicação de técnicas de leitura e compreensão de textos técnico-científicos.

PPG 600 Retórica Na Era Digital: Leitura, Organização E Escrita Com As Novas Tecnologias I e II.

Introdução. A revolução das mídias e a literacia digital. Leitores e Leitura Digital. Zettelkasten: Máquina da Fantasia e a criação textual. Inconclusão: as leituras e os leitores

PPG 750 Captação De Recursos Para Pesquisa: Experiências E Práticas 3(3-0) I e II.

Introdução. Suporte à captação. Canais e vias de captação. Procedimentos internos Campi, Centros e Institutos. Unidades e procedimentos. Casos de Sucesso.

PPG 770 Aprimoramento De Habilidades Na Elaboração De Artigos Científicos Na Engenharia 1(1-0) I e II.

Como escrever um artigo científico na engenharia. Gerenciadores de referência. Revistas indexadas

PPG 800 Poder, Influência E Persuasão 2(2-0) I e II.

Bases e Conceitos Gerais. Poder. Influência e Persuasão. Ferramentas de Persuasão. Refinamentos e complementos

PPG 810 Ética: Modelos De Ação E Decisão 1(1-0) I e II.

Noções, conceitos e teses fundamentais – Ética e Sistemas Éticos; Distinções conceituais: hábitos, costumes, moral e ética; Sistemas ou modelos éticos tradicionais. Eudaimonismo: Platão, Aristóteles e Helenismo

Deontologismo: Immanuel Kant e o retorno a Kant. Ética da Convicção e Ética da Responsabilidade: Max Weber Consequencialismo: pragmatismo e utilitarismo Institucionalismo: John Rawls e Niklas Luhmann

Estudos de caso e questões práticas.

PPG 860 Modelos De Negócios E Estratégias Empreendedoras 3(3-0) I e II.

Conceitos básicos. Desenvolvimento de estruturas conceituais: modelos de enlace causal. Desenvolvimento de estruturas logico-matemáticas: modelos de fluxo e estoque. Desenvolvimento de simuladores empresariais

PPG 881 Da Universidade Para O Mercado De Trabalho 3(3-0) I e II.

Introdução. Preparação para mercado de trabalho. Preparação de currículo profissional. Como descobrir o mercado de trabalho. Treinamento e desenvolvimento pessoal

PRE 400 Troca De Saberes 4(1-3) I.

Desenvolver e realizar projeto e evento de extensão universitária realizado na UFV. Proporcionar vivências e

consolidar uma ecologia ou diálogos de saberes por meio da articulação do conhecimento gerado na universidade e o conhecimento popular; identificar e fortalecer as dimensões culturais importantes para a transição agroecológica; fortalecer parcerias entre a UFV e os movimentos e as organizações Sociais; ampliar o debate sobre a agricultura familiar e agroecologia e; dar visibilidade às experiências da Zona da Mata de Minas Gerais, região de Polo Agroecológico e agricultura familiar.

PRE 409 Ciência, Tecnologia E Inovação Para O Desenvolvimento Brasileiro 2(2-0).

Fazer com que os estudantes compreendam os conceitos de Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Socioeconômico, bem como a sua relação com as transformações na sociedade e na natureza.

PRE 410 Educação Em Direitos Humanos 1(1-0).

Atividades de formação, difusão e produção de conhecimentos que contribuam para o desenvolvimento da cultura universal dos direitos humanos.

PRE 411 Sustentabilidade Ambiental 2(2-0).

Conhecer as bases da educação ambiental e seu histórico e assim, debater questões ambientais atuais em sala de aula, frente a realidade local, regional e nacional. O aluno deverá ser capaz de apontar os principais problemas ambientais, além de desenvolver seu pensamento crítico em relação às comunidades tradicionais brasileiras com o meio ambiente, assim como da sociedade na qual está inserido.

PRE 412 História E Cultura Afro-Brasileira E Indígena 2(1-1).

Compreender as relações raciais no Brasil contemporâneo. Conceituar racismo interpessoal, institucional, epistêmico e estrutural. Identificar agenciamentos de movimentos negros e indígenas: conquistas e desafios. Abordar a história da população negra e indígena no Brasil. Compreender a noção de políticas de ação afirmativa e seus impactos na sociedade brasileira. Apontar estratégias para combater o racismo estrutural, na sociedade brasileira, e o racismo epistêmico, nas universidades brasileiras

QUI 633 Métodos Físicos de Identificação de Compostos Orgânicos 4(4-0) II.

Espectroscopia na região do ultravioleta e do visível (UV-VIS). Espectroscopia na região do infravermelho (IV). Espectrometria de massas (EM). Ressonância magnética nuclear (RMN). Elucidação da estrutura de compostos orgânicos pela análise dos dados de UV-VIS, IV, EM e RMN.

QUI 635 Cromatografia Líquida de Alta Eficiência e Cromatografia Gasosa 4(4-0) I.

Introdução aos métodos cromatográficos. Definição e princípios de separação da cromatografia líquida de alta eficiência. Vantagens e limitações da cromatografia líquida de alta eficiência. Parâmetros cromatográficos. Instrumentação de um cromatógrafo líquido de alta eficiência. Aplicações da cromatografia líquida de alta eficiência. Definição e princípios de separação da cromatografia gasosa. Vantagens e limitações da cromatografia gasosa. Instrumentação de um cromatógrafo gasoso. Derivatização de amostras para serem analisadas por cromatografia gasosa. Aplicações de cromatografia gasosa.

QUI 715 Preparo de Amostras e Análise por Cromatografia 4(3-2) II.

Preparo de amostras para análise por cromatografia gasosa. Métodos de extração e de purificação de substâncias orgânicas. Análise por cromatografia gasosa. Discussão de temas atuais relacionados com preparo de amostras e análise cromatográfica.

SOL 645 Solos de Ecossistemas Florestais 4(3-2) I.

Conceituação de Solos florestais. Solos e florestais e nutrição de árvores frente a problemas ambientais. Solos associados a biomas florestais. Produtividade e classificação de sítios florestais. Dinâmica do crescimento

florestal. Propriedades do solo e o crescimento florestal. Biomassa e ciclagem de nutrientes em ecossistemas florestais. Nutrição mineral de espécies florestais. Adubação de florestas: viveiro e campo. Adubação de

espécies florestais. Manejo florestal intensivo e sustentação da produtividade do solo.

SOL 646 Recuperação de Áreas Degradadas 6(2-4) II.

Caracterização de área degradada (AD). Fontes de degradação ambiental, explotação de minérios e meio ambiente. Objetivos da recuperação de AD. Plano de recuperação de áreas degradadas-PRAD. Processos de formação de solo e a RAD. Geomorfologia e reconstrução topográfica no contexto de RAD. Geoquímica de sulfetos e geração de drenagem ácida. Armazenamento e retorno de “topsoil” e uso de serapilheira. Revegetação e princípios ecológicos aplicados a RAD. Monitoramento e avaliação do processo de RAD.

SOL 670 Fertilidade do Solo 5(5-0) I.

Fertilidade do solo no contexto histórico e atual. Conceitos usuais na fertilidade do solo. Nutrientes no continuo solo-solução. Acidez do solo e sua correção. Nitrogênio. Fósforo. Potássio. Enxofre. Micronutrientes. Avaliação da fertilidade pela análise química do solo. Solos de fertilidade melhorada. Diagnose nutricional de plantas. Modelagem matemática na fertildiade do solo.


2024 © Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência Florestal. Desenvolvido por: Interminas